Sobre

Nosso primeiro contato com piscinas foi no ano de 1971...

Nossa
Linha do tempo

1971

Primeiro contato com piscinas

Nosso primeiro contato com piscinas foi no ano de 1971 quando fomos trabalhar em uma das primeiras grandes empresas construtoras de piscinas. Trabalhamos nesta empresa por cerca de dez anos no departamento de obras atuando em todo o Estado de São Paulo principalmente na Grande São Paulo e na região da orla marinha do estado, adentrando várias vezes para o estado do Rio de Janeiro, também em sua orla marinha, principalmente em Paraty. Todas estas obras com construção de piscinas em concreto estrutural formando sempre uma estrutura monobloco, fundida numa peça só de concreto. Trabalhando em zona litorânea e quase sempre encontrando lençol freático alto, adquirimos muita experiência na construção neste tipo de terreno.

1982 

Nos desligando da grande empresa

Em 1982, nos desligando da grande empresa, e montamos a MAX PISCINAS e a MAX EQUIPAMENTOS em Pirituba – São Paulo. A MAX PISCINAS continuou com o sistema de construção e trabalhou muito na região de ITATIBA realizando, com sucesso, muitas obras na região. A MAX EQUIPAMENTOS foi vendida a um grande homem, de larga visão empresarial, JOSE EDUARDO que carreou junto nosso sócio industrial, PEDRO SANCHEZ SARDINHA, e posteriormente alteraram o nome para hoje a potente NAUTILUS deslocando-se para ATIBAIA – SP.

1986

Breque geral

Em 1986, com o governo de Jose Sarney e seu plano cruzado do Nilson Funaro, houve um breque geral. Com dificuldade conseguimos terminar todas as nossas obras a contento. Tabelas de preços, mercadorias escondidas, planos de tablita. Sofremos. Reduzimos nossa capacidade e mudamos o foco. Focamos a região de ALPHAVILLE – BARUERI – mais próximo, menos locomoção. Tivemos grande ajuda o Sr. EDSON MARINHO GUEDES – da FILTRAL – onde nos apoiamos mutuamente, realizando muitas obras na região com os clientes plenamente satisfeitos.

2008

Loja na Rua São Fernando

Em 2008 abrimos uma loja na Rua São Fernando, 548 continuando atender ALPHAVILLE, TAMBORÉ e BARUERI e agregamos GRANJA VIANA, JANDIRA, CARAPICUIBA, COTIA e região. Agregamos uma equipe de ouro, que se mostrou coesa e, em pouco tempo a estrutura física já não era suficiente, principalmente o estoque de equipamentos e produtos químicos. Neste local fomos bem felizes, mas era hora de mudar, mudamos!

2016

Nova loja

A poucos passos, mas já em outro município, Estrada Municipal Fernando Nobre, 1430 – Beverly Hills – Jandira (SP), loja bonita, espaçosa, com estacionamento fácil. Esse novo espaço nos proporciona uma ampla visão de crescimento. Com o passar do tempo podemos observar que estamos atendendo um público cada vez mais exigente e isso gera mudanças, pois o nosso principal objetivo é a satisfação e comodidade dos nossos clientes.

Com a experiência adquirida em todos esses anos que estamos atuando na construção e reforma de piscina, podemos garantir que somos profissionais qualificados, temos um bom atendimento e bom preço.

Trabalhamos com:

  • Construção de piscinas de alvenaria;
  • Construção de piscinas de vinil;
  • Reforma da piscina de alvenaria e vinil;
  • Aquecimento solar para banho;
  • Aquecimento solar piscina;
  • Aquecimento solar piscina à vácuo;
  • Trocador de calor;
  • Suporte técnico.

História

Posso falar por nós, entramos neste ramo em 1971 e a profundidade era de 1,20 a 1,60. Muitas já construídas, como eram grandes, com 1,20 a 2,00; 1,00 a 2,00; 1,20 a 2,20; medidas estas mais comuns. Quando a piscina de vinil chegou ao Brasil no fim da década de 70, começo da década 80, trazida do Canadá pela Jacuzzi, em grande quantidade, era também 1,20 a 1,60.

Era um processo que usava chapas de aço galvanizado e a outra parte era posto concreto em cima da terra. O vinil já vinha na medida, pronto, era só colocá-lo. A Jacuzzi não aguentou e vendeu à Hidrosport da Rua Padre José Vieira de Moraes, que trabalhou muito tempo com este material. (A história é mais ou menos essa).
Veio o advento do vinil nacional. No mesmo processo anterior, a profundidade era 1,20 a 1,60. Exemplo: entre outras, piscina da rua Pérola, (trocamos o vinil em 2008). Passado um tempo, muitas vezes, por “A” ou por “B” o vinil enrugava.

Por fim, as vendas de vinil, propuseram: ‘A PROFUNDIDADE IDEAL É A PISCINA TODA ELA DE 1,40”. Tanto falaram que virou verdade. A PROFUNDIDADE IDEAL É DE TUDO 1,40m.

E as nossas crianças? Quando vamos a um clube, no domingo com sol, temos uma quantidade de pessoas que quase se estapeiam no raso e no fundo dois que estão voltando e dois que estão indo.

Quando vamos à praia, ficamos deitados ao sol parecendo um bife à milanesa, e as crianças onde estão? O pai levanta a cabeça, vê uma porção de pernas e algumas crianças, que não são as suas, volta a dormir. E as crianças? Ora, as crianças estão bem na mão de Deus. Entram na água, vão profundo, vem uma onda, a água bate na bundinha e eles voltam correndo. Porque não copiar a natureza?

A profundidade é 1,10 à 1,45 de lamina de água. (Profundidade de 1,20 à 1,55)
VIVA AS NOSSAS CRIANÇAS!!!

*A JACUZZI fala em seu “projeto de piscinas” em 1,10 à 1,60.
*No mesmo, ainda fala “A construção de praias não é recomendada”

A casa de máquinas

A casa de máquinas é o lugar do coração da piscina.

O Filtro e a Bomba têm que estar coberto e o lugar limpo, arejado, seco, ter uma iluminação conveniente, de fácil acesso para facilitar a operação e eventualmente a manutenção.

Um bom lugar para a casa de máquinas é a escolha de uma área onde não há circulação dos usuários da piscina e esteja próximo a ela. Terá quarenta centímetros acima do solo e outros quarenta ou sessenta de profundidade, ficando a casa de máquinas com oitenta a um metros de profundidade, com um metro e vinte por um metro e quarenta, mais ou menos, coberta por uma tampa de ferro, chapa dezesseis, bastante leve, quando não é, coloca-se dois amortecedores. Pinta-se esta tampa com HAMMERITE verde. Pode-se dar um embelezamento com tijolos ou pedras.

Nesta casa não precisa entrar, só curvar um pouco, já tem acesso a bomba, a válvula do filtro, aos registros, enfim já domina a máquina.
Casa de máquinas
Com esta profundidade é muito fácil manter a casa de máquina seca. Um ralo de escoamento por gravidade e pronto, está feita a casa seca. A tubulação já entra na casa de máquina programada, isto evita gasto inútil de conexões e principalmente em baralhamento da tubulação, num espaço pequeno.
Casa de máquinas
A ligação elétrica deve seguir as normas técnicas e, com isto, deve ter um cabo terra alojado próximo ou mesmo dentro, um DR30mA e demais aparelhos. Sua fiação deve ser enterrada nas paredes.
Casa de máquinas
Casa Seca.

Algumas coisas que nos fizeram ir contra a casa de maquinas totalmente enterrada.

A Tampa

A Tampa quando é de concreto pesa muito dificultando o manuseio. A tampa de Chapa de Alumínio deve ser grossa o suficiente para suportar uma pessoa adulta, não deve passar água para a casa de máquinas, não deve ser pesada, não deve esquentar e nem criar resaltos, o que dificulta cair água dentro. Alguém anda descalço e se queima.
Casa de máquinas
A casa de máquinas enterrada geralmente é de difícil acesso. Veja estas fotos, A escada de ferro é tão pesada que um só não aguenta, além de ser desconfortável. A outra de madeira está numa posição ruim e perigosa a ainda faltando um degrau.
Casa de máquinas
CASA HORRÍVEL!

Fora o acesso, a desorganização dos tubos, o pior de tudo é a umidade que com o tempo acaba com tudo, a cabeça de válvula, o medidor de pressão, a parte elétrica, a bomba, o motor, enfim tudo.

E porque desta umidade? um ralo de escoamento de água por gravidade a um metro de fundo é trabalhoso e difícil de equacionar.
Casa de máquinas
CASA MOLHADA HORRÍVEL!
Mas se você tiver ou querer construir casa enterrada atente:

1 - Tampa tem que ser de alumínio, igual aquele de chão de ônibus, corrugado,não é corrugado,mas parece, é resistente.A cantoneira de baixo deve ser para fora e com altura elevada. coloca-se a cantoneira e com  isso procura-se rasgar um sulco para escoamento da água de chuva e depois se coloca a tampa.

2 - A escada, tipo marinheiro,deve ser chumbada ou  afixada na parede. É bom que tenha  uma parede próxima,externa,onde possa fixar  uns dois  degraus para apoio ao descer ou subir.

3 - O DR30MA e os disjuntores não  devem  ser  colocados na casa de Máquinas, mas em um lugar de fácil acesso.coloque uma haste de terra  dentro  ou fora  da casa de Máquina e conecte o motor. Mantenha os fios embutidos e faça as ligações corretamente.

4 - A água que cai no piso não saindo por gravidade faça um poço e coloque uma pequena bomba e uma  bóia LIGA/DESLIGA.

5 - Um tubo de 4’’colocado no fundo com saída para fora, próximo do chão, com um chapeuzinho e uma tela como entrada de ar,e um tubo também de 4” colocado no alto e fora o mais alto possível  para saída do ar. com um chapeuzinho também.

6 - Não use a casa de máquinas como depósito, principalmente com produto químico.
Mas quem for construir uma casa enterrada, por necessidade ou por querer, tem que atentar para os seguintes pontos:

  • Tampa
  • Escada
  • Elétrica
  • Escoamento da Água
  • Não Depósito

Algumas casas de máquinas: